O preço de fertilizantes decolou e os defensivos nunca estiveram tão caros – a ureia, principal adubo nitrogenado, já acumula elevação de 58,4% nos sete primeiros meses deste ano.

Os contêineres caros e os navios cancelam fretes – o preço médio do frete internacional para contêiner de 12 metros teve um aumento de mais de 300%, de U$ 2 mil para algo próximo de U$ 7 mil.

O preço do diesel, que já acumula alta de 51% neste ano, também impacta o custo de produção e diminui a margem de rentabilidade.

Isto tudo ocorrendo à medida que avançam os programas de vacinação em massa por todo o mundo. A vida parece retomar o seu curso de antes da pandemia do Covid-19.

Setores econômicos no País registraram perda de intensidade na recuperação conquistada no segundo semestre de 2020; o nosso Agro, ao contrário, mantém sua sólida trajetória de crescimento e geração de empregos; neste momento, porém, prejudicado pela crise hídrica e pelo aumento dos fatores de produção.

Esse impacto já foi, inclusive, contabilizado nos números da Companhia Nacional de Abastecimento (CONAB), que, em agosto, reduziu de 260,8 milhões para 254 milhões a estimativa para a produção brasileira de grãos na safra de 2020/2021. O milho, por exemplo, deverá ter uma produção 15,5% menor do que a safra anterior, o que impactará diretamente o custo de produção de aves e suínos.

Na verdade, a inflação dos alimentos já vem dificultando a vida dos brasileiros desde os primeiros meses de 2021. Inicialmente, a escalada de preços foi causada pela desorganização da cadeia internacional de suprimentos e pela forte demanda por commodities pelos países asiáticos; agora, é o aumento nos custos da produção que promete tirar o sono dos consumidores.

Na soja, os gastos médios dos produtores com fertilizantes superaram em 50,1% os da safra anterior. Esses insumos, na safra de milho, tiveram um aumento de 55,4%. A adubação fosfatada já registrou, neste ano, alta de 90,3%.

É importante destacar que 80% dos fertilizantes que utilizamos são importados, o que afeta diversas cadeias do setor produtivo. Até julho de 2021, por exemplo, segundo dados da Associação Nacional para Difusão de Adubos (ANDA), o setor agropecuário já havia consumido 23,9 milhões de toneladas desses insumos, dos quais apenas 3,7 milhões foram produzidos no Brasil. Mas a pressão, não vem apenas dos fertilizantes.

Os defensivos agrícolas, o diesel, a manutenção preventiva das máquinas e outros itens importantes na composição dos custos dos produtores sofreram aumentos significativos neste ano, tanto que o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (CEPEA-Esalq/USP) aponta para uma intensa aceleração nos custos de produção do milho, do feijão, do arroz irrigado e do trigo.

O colapso da cadeia internacional de suprimentos elevou valores das máquinas e colheitadeiras. Segundo uma das grandes multinacionais do setor de máquinas agrícolas, John Deere, o aumento da demanda por máquinas é desproporcional à capacidade de reação de toda a cadeia. Todos sentem os impactos da desorganização da cadeia de suprimentos e os atrasos nas entregas.

E ainda temos as geadas e a crise hídrica, que já provocaram perdas de 15% a 20% em culturas mais suscetíveis. Há produtores que relatam perda total da produção. Somam-se ainda os juros altos, responsáveis por elevar mais ainda os custos e dificultar a recuperação da capacidade produtiva das lavouras.

Podemos falar em uma tempestade perfeita? Ainda não, pois, infelizmente, a situação tende a piorar, diante da escassez de contêineres e navios para o translado de mercadorias.

A falta de contêineres é motivada, principalmente, pela alta demanda nos grandes portos exportadores da Ásia, dos Estados Unidos e da Europa. Com a pandemia, o setor de contêineres deu um freio na produção, o que desorganizou o mercado.

A elevação dos custos do setor levou a Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA) a enviar, em setembro último, ofício ao ministro de Infraestrutura, Tarcísio Freitas, e à ministra da Agricultura, Teresa Cristina, solicitando ações de curto prazo para solucionar o problema.

A bancada se reuniu ainda com entidades do setor exportador e com os Ministérios da Economia e da Infraestrutura e vê com grande preocupação este cenário. Estamos trabalhando para nos encontrarmos, o mais rápido possível, também com os armadores, responsáveis por operar os navios e rotas existentes no comércio internacional, para que o Brasil possa recuperar seu espaço nas rotas marítimas e disponibilizar mais contêineres aos exportadores.

Quanto aos demais insumos, estamos discutindo iniciativas específicas e imediatas para minorar os efeitos destas altas, bem como definindo medidas tributárias que possam aliviar esse aumento de custos. Estamos lutando por linhas de créditos que auxiliem o produtor a enfrentar esse momento, que associado aos problemas climáticos, tem provocado graves impactos na produção e na produtividade.

Precisamos desobstruir o tráfego e facilitar a exportação, pois a chegada de insumos dará um alívio ao bolso do produtor e do cidadão brasileiro. O Agro tem sido o setor mais dinâmico da nossa economia. É hora de reforçar os cuidados com a nossa “Galinha dos Ovos de Ouro”.

Deputado federal Sérgio Souza

Presidente da Frente Parlamentar Agropecuária – FPA

 

Deputado federal Arnaldo Jardim

Diretor de Logística e Infraestrutura da Frente parlamentar da Agropecuária – FPA

 

Fonte: https://agencia.fpagropecuaria.org.br/2021/11/16/a-galinha-dos-ovos-de-ouro-esta-custando-caro/?_ga=2.4561713.347285809.1637089873-840260960.1637089873

Cadastre-se aqui

0 0 votes
Article Rating
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x