A Operação Greenfield chega ao seu quarto ano com a expectativa de recuperar R$ 11,7 bilhões. Reportagem da Revista Crusoé destaca, ainda, que a força-tarefa já fez 34 denúncias e 13 ações de improbidade contra 156 pessoas e 22 empresas.

Conheça o Especial da CPI dos Fundos de Pensão.

Agência Câmara
Trabalho da CPI levou à Operação Greenfield

A operação da Polícia Federal e do Ministério Público Federal, que foi deflagrada em setembro de 2016, utilizou informações levantadas pela CPI dos Fundos de Pensão da Câmara dos Deputados. Desde então, a força-tarefa tem trabalhado para reaver o dinheiro dos participantes da Previ, Funcef, Postalis e Petros.

Câmara dos Deputados

Para não penalizar os participantes dos fundos, que hoje estão pagando equacionamentos para cobrir rombos deixados por ex-gestores, o deputado federal Sérgio Souza (MDB-PR) quer aprovar no Congresso Nacional o PL 8821/2017.

De sua autoria, o texto quer permitir que as contribuições adicionais, a título de equacionamento de resultados deficitários de Entidades Fechadas de Previdência Complementar, não estejam submetidas ao limite de 12% da renda bruta anual tributável da declaração do Imposto de Renda.

Em sua justificativa para a proposta, Sérgio Souza esclarece que o PL não cria, em hipótese alguma, algum tipo de isenção ou imunidade tributária. “A matéria apenas difere o momento de incidência do Imposto de Renda para o momento do recebimento do benefício pelos participantes”, explica.

Leia reportagem da Revista Crusoé.

Cadastre-se aqui



Gostou deste conteúdo? Faça um comentário!

avatar